Clique em "Participar deste site" e fique por dentro de tudo o que rola no blog Sociedade dos Leitores Compulsivos!

Diablo - Resenha e novidades da BlizzCon

Stay awhile and listen!



Em 2016, a clássica franquia de RPG da Blizzard Diablo comemorou seus 20 anos. É claro que uma data dessas não poderia passar em branco na BlizzCon, convenção da Blizzard onde são anunciadas as novidades para seus jogos. Muitos rumores surgiram sobre o anúncio de um possível Diablo 4, mas, apesar de não terem se confirmado, as notícias não são menos animadoras. Para o próximo ano teremos a inclusão do necromante, um dos principais personagens de Diablo 2, no Diablo 3, e também teremos um remake do primeiro jogo da franquia, que estará disponível dentro de um evento em Diablo 3.




O Necromante de Diablo 3

Um dos maiores fenômenos dos videogames de todos os tempos, a franquia Diablo mereceu se tornar um clássico. Com uma mitologia bem construída e uma história que prende o jogador até a última cutscene. Diablo arrebanhou fãs devotos ao longo dos seus 20 anos de existência e possui um dos melhores enredos que eu já tive a oportunidade de jogar.

Mapa de Santuário
A história se passa em um universo governado por duas forças opostas: os Grandes Males e o Conselho Angiris. Houve um grande conflito entre essas duas forças, devido às suas intenções opostas, que culminou na deserção do anjo Inarius e sua fuga para Santuário acompanhado de Lilith, a rainha dos súcubos, e outros anjos e demônios rebelados. Juntos, Inarius e Lilith construíram um mundo chamado Santuário, e da sua união e da união de outros anjos e demônios nasceram os Nephalem, uma espécie de raça humana primitiva com capacidades mágicas que mesclavam o poder dos anjos e dos demônios, capaz de rivalizar tanto com o Céu quanto com o Inferno Ardente.

Inarius e Lilith discordavam quanto ao destino que deveriam ter os Nephalem. Enquanto Lilith queria treiná-los para construir um exército, Inarius temia que os Nephalem tomassem seu poder em Santuário, e por isso almejava destruí-los. Essa briga desencadeou a destruição de todos os anjos e demônios viventes em Santuário por Lilith. Inarius puniu Lilith, isolando-a em um espaço vazio e distante do resto da criação, e subjugou os poderes dos Nephalem.

Por muito tempo Santuário permaneceu fora do conhecimento de anjos e demônios, até que Lilith alertou os Males Principais sobre a sua existência. Começou assim uma guerra silenciosa entre Inarius e o Inferno, tentando cada qual dominar a vontade dos humanos. Até que o céu também descobriu sobre Santuário e, temendo os humanos, decidiu destruí-los. Por fim, impressionados com o potencial dos humanos, os Grandes Males e o Conselho Angiris selaram um pacto de permitir aos humanos o livre arbítrio para escolher qual lado seguir. Com esse acordo, ambos os lados ficariam impedidos de entrar em Santuário, e para garantir que o acordo seria cumprido foi criada uma barreira mágica que impediria invasões em massa. A memória dos humanos também foi apagada, e com isso todo o conflito entre Céu e Inferno foi esquecido. Os rumores sobre seres celestes e infernais passaram a ser não mais do que lendas.

Enquanto Santuário vivia uma aparente paz, o sangrento conflito entre Céu e Inferno se seguia além dos olhos comuns. Nesse período, o Inferno viveu seu próprio conflito, uma guerra interna que resultou no banimento dos Males Principais, os irmãos Diablo, Mephisto e Baal, pelos males menores, Belial, Andariel, Azmodan e Duriel. Os Males Principais foram então jogados na terra, e, sem consenso entre os Males Menores sobre quem seria o governante supremo, começou uma longa guerra civil.

Livres para exercerem sua vontade sobre a Terra, os Males Principais se ocuparam em espalhar caos e medo entre os humanos. Para proteger Santuário de tal influência maligna, o arcanjo Tyrael reuniu um grupo de sábios humanos, conhecidos como Horadrim, e os incumbiu de caçar os três irmãos e aprisioná-los em artefatos mágicos conhecido como Pedras-Alma, que os trancaria em um vácuo espiritual por toda a eternidade, a menos que fossem desativadas ou destruídas.

Os Horadrim tiveram sucesso em sua missão, mas com o tempo os Males Principais foram descobrindo formas de corromper suas Pedras-Alma. Os Horadrim desapareceram e a ordem foi aos poucos esquecida. Uma paz aparente reinava em Santuário. É aí que começam de fato os acontecimentos de Diablo 1.

Tristram e a Catedral
O Rei Leoric, senhor do reino de Khanduras, decidiu construir uma catedral em cima de um antigo templo Horadrim, nos arredores da pequena cidade de Tristram, justamente onde está enterrada a Pedra-Alma de Diablo, o Senhor do Ódio. Diablo aproveitou a oportunidade para influenciar o arcebispo Lazarus, responsável pela catedral, e usá-lo para a sua libertação. Lazarus então parte a Pedra-Alma e liberta Diablo, mas ele ainda está muito fraco e precisa possuir um humano para recuperar plenamente seus poderes. Inicialmente, o Senhor do Ódio tenta possuir o rei Leoric, mas enfraquecido como estava, não foi capaz de cumprir seu objetivo, e acabou possuindo o filho do rei, o jovem Albrecht, que sendo não mais que uma criança, seria uma presa fácil. Ainda assim, as tentativas de Diablo de possuir Leoric acabaram fazendo com que o rei fosse tomado por uma loucura que o fazia ver inimigos por todos os lados, o que o colocou em conflitos desnecessários e enfraqueceu a lealdade dos seus seguidores. Leoric encontrou seu fim na espada de Lachdanan, que outrora for a seu mais fiel seguidor.

Enquanto isso, Diablo, com Lazarus ao seu lado, distorcia o corpo de Albrecht, para que tomasse uma forma semelhante ao seu próprio. Vários portais para o Inferno Ardente foram abertos e hordas de demônios passaram a habitar as profundezas da catedral. Os poucos mortais que tentavam se aventurar pela catedral na esperança de trazer o príncipe Albrecht de volta não retornavam. Aos poucos, o medo foi dominando os moradores de Tristram.

Os personagens de Diablo 1 são nativos de Tristram. Como o jogo foi pensado para ter uma continuação, alguns deles também participam de forma significativa em Diablo 2. O jogador pode escolher entre um guerreiro, uma arqueira e um mago. Na expansão Hellfire, considerada não canônica dentro do universo do jogo, também é possível escolher um monge.

Diablo 1 se passa inteiramente na catedral, com cada fase sendo representada por um andar mais profundo. À medida que avança no jogo, o jogador vai entendendo o que aconteceu com Lazarus e Albrecht e recebe explicações sobre a loucura de Leoric. Alguns personagens são bem marcantes. O Butcher, primeiro grande inimigo enfrentado no jogo, se torna uma espécie de easter egg das sequências, e aparece no 2 e no 3. Deckard Cain, que inicialmente é apenas o NPC responsável por identificar itens mágicos, se mostra um personagem de grande importância dentro da história e ajuda ativamente o jogador, não só no Diablo 1, mas também no 2 e no 3. Outro ícone de Diablo são as vacas encontradas próximas ao monastério. Muito foi especulado sobre o real significado das vacas e o que elas realmente fariam no jogo, e muitas pessoas alegavam que realizar um determinado número de interações com uma vaca específica daria acesso a um nível secreto, mas o máximo que acontece é o personagem dizer algo tipo "Sim, isso é uma vaca, certo…".

Resumindo a história sem dar spoilers, o jogador vai enfrentando hordas de demônios cada vez mais difíceis de serem combatidas, até chegar ao último nível da catedral, já transformado em Inferno. Ali o jogador enfrenta Diablo, e assiste a um dos desfechos mais magistrais da história dos videogames. Ainda não joguei nenhum outro jogo cuja conclusão tenha me deixado tão ansiosa pelo próximo quanto esse.

Sobre a jogabilidade, Diablo 1 ainda é um tanto primitivo. A movimentação lenta do personagem chega a ser irritante, especialmente quando você precisa fugir de inimigos mais fortes que se movimentam mais rápido que você, e o espaço extremamente reduzido no inventário e no slot de poções obriga o jogador a quebrar o ritmo do jogo voltando para a cidade diversas vezes. No entanto, os inimigos são muito bem feitos, e alguns são verdadeiras encrencas na vida do jogador, o que deixa o jogo bem interessante. O esquema de classes também é bastante respeitado, e um jogador que não saiba investir no atributo certo para seus personagens vai ter sérios problemas no decorrer do jogo. Os gráficos podem parecer obsoletos nos dias de hoje, mas foram um verdadeiro fenômeno em 1996, quando o jogo foi lançado. Com o remake, que vai utilizar o motor do Diablo 3, é provável que várias pequenas deficiências do jogo original sejam resolvidas, e com certeza a experiência de jogo vai evoluir bastante.

A história de Diablo 2 começa no ponto exato em que Diablo 1 acaba. Aclamado como herói pelos moradores de Tristram, o guerreiro do jogo anterior vai ficando cada vez mais sisudo e isolado das pessoas, até que resolve ir embora de Tristram sem avisar a ninguém. A arqueira volta para sua ordem, mas a experiência da catedral também a muda para sempre. Quanto ao mago, nada é dito do seu paradeiro no Diablo 2. O herói do novo jogo segue os rastros do guerreiro, agora conhecido como Andarilho Sombrio, e tenta parar os acontecimentos estranhos desencadeados por ele. Nesse jogo temos a oportunidade de enfrentar não só Diablo, mas também enfrentamos Mephisto, outro dos Males Supremos. Na expansão Lord of Destruction, enfrentamos o terceiro e último dos Males Supremos, Baal.

A jogabilidade em Diablo 2 evolui bastante. Temos mais opções de classes para escolher, e a grande inovação fica por conta da divisão das skills por grupos, o que permite ao jogador adaptar o personagem ao seu estilo de jogo; personagens de uma mesma classe com grupos distintos de skills podem ficar tão diferentes entre si quanto se fossem de classes diferentes. O inventário e os slots para poções também aumentam, o que melhora bastante o ritmo do jogo. O ponto fraco fica por conta da extensão excessiva e do estilo repetitivo dos níveis, mas a história bem construída faz com que esses pontos negativos fiquem em segundo plano. O jogo é dividido em atos (quatro para o jogo base e mais um para a expansão), que são separados por cinemáticas incríveis contando a história do jogo.

Nível Secreto das Vacas

Como uma piada sobre os rumores das vacas de Diablo 1, a Blizzard criou um nível secreto em Diablo 2, acessível através da coleta de alguns itens. O Nível Secreto das Vacas leva o jogador a um mundo habitado por vacas bípedes malignas, e o objetivo é derrotar o Rei Vaca. É uma fase tão engraçada quanto insana, e uma grande demonstração do prestígio que a Blizzard tem pelos fãs.




A história de Diablo 3 se passa muitos anos após os acontecimentos dos dois primeiros jogos, e a história intermediária é contada nos livros de Diablo publicados no Brasil pela editora Record. O personagem desse novo jogo investiga acontecimentos estranhos que vêm acontecendo em Santuário, enquanto ajudam Deckard Cain a desvendar uma antiga profecia Horadrim.

Diablo 3 não tem lá uma história muito cativante, e muitos pontos dela divergem da história dos dois primeiros jogos, mas o principal ponto fraco fica por conta da facilidade do jogo. Eu sempre jogo qualquer coisa na dificuldade mais fácil disponível, mas em Diablo 3 eu precisei jogar na dificuldade Inferno para achar alguma graça. Por
outro lado, a jogabilidade é incrível e acrescenta muitas novidades interessantes ao jogo. Os gráficos
são muito bons, e evoluíram sem perder o estilo Diablo de ser. Também temos a inclusão de um sistema de recompensas que são desbloqueadas a cada objetivo cumprido, e para conseguir todas o jogador precisa passar por todos os níveis de dificuldade e por todos os personagens; esse ponto certamente foi um dos maiores responsáveis pelo aumento do fator replay do jogo. A inclusão do necromante no Diablo 3 vai aumentar o sabor de nostalgia experimentado pelos jogadores, já que ele é o personagem preferido de muitos (inclusive meu).

Um nível secreto, no estilo Cow Cow Level, também foi criado para Diablo 3. A piada dessa vez foi
Pôneis malditos!
com a crítica, que alegava que o jogo era colorido demais e destoava da aparência sombria dos dois jogos anteriores. Para rebater as críticas, os desenvolvedores criaram o Nível Secreto dos Pôneis, que pode ser acessado ao se coletar alguns itens e conversar com o Rei Vaca. O nível também pode ser acessado através do portal criado pelos duendes arco-íris. Nele, o jogador enfrenta hordas de pôneis e ursinho no estilo Ursinhos Carinhosos que de fofos só têm mesmo a aparência.

O Butcher e a famosa vaquinha do remake de Diablo 1
Em seus 20 anos de existência, a franquia Diablo fez história no gênero RPG e serviu de inspiração para muitos outros jogos (muitos inclusive são chamados pejorativamente pela crítica de "clones de Diablo). A sua importância, especialmente dos dois primeiros jogos da franquia, está sendo aclamada com os anúncios recentes da Blizzard. Como uma expectativa pessoal, vou aguardar para um futuro próximo o remake de Diablo 2, que ficaria muito bonito se rodado no motor do Diablo 3. Para finalizar, deixo vocês com o teaser do necromante do Diablo 3.

All who threaten the balance, beware!




Ficha técnica dos jogos:


Título: Diablo
Gênero: RPG
Plataforma Jogada: PC
Desenvolvedora: Blizzard North
Produtora: Blizzard Entertainment
Distribuidora: Activision Blizzard
Faixa Etária: 16 anos
Idioma: Inglês
Ano: 1996


Título: Diablo II
Gênero: RPG
Plataforma Jogada: PC
Desenvolvedora: Blizzard North
Produtora: Blizzard Entertainment
Distribuidora: Activision Blizzard
Faixa Etária: 16 anos
Idioma: Inglês
Ano: 2000

Título: Diablo II – Lord of Destruction
Gênero: RPG
Plataforma Jogada: PC
Desenvolvedora: Blizzard North
Produtora: Blizzard Entertainment
Distribuidora: Activision Blizzard
Faixa Etária: 16 anos
Idioma: Inglês
Ano: 2001

Título: Diablo III
Gênero: RPG
Plataforma Jogada: PC
Desenvolvedora: Blizzard Entertainment
Produtora: Blizzard Entertainment
Distribuidora: Activision Blizzard
Faixa Etária: 17 anos
Idioma: Multilinguagem
Ano: 2012

Título: Diablo III – Reaper of Souls
Gênero: RPG
Plataforma Jogada: PC
Desenvolvedora: Blizzard Entertainment
Produtora: Blizzard Entertainment
Distribuidora: Activision Blizzard
Faixa Etária: 17 anos
Idioma: Multilinguagem
Ano: 2014

Share on Google Plus

0 comentários:

Olá, compulsivo (a)!!!

Sinta-se à vontade e diga-nos o que achou deste post!