Clique em "Participar deste site" e fique por dentro de tudo o que rola no blog Sociedade dos Leitores Compulsivos!

Resenha: O vale dos mortos

Por: Danilo Zorzin

Titulo: O vale dos mortos
Autor: Rodrigo de Oliveira
Gênero: Terror
Editora: Faro Editorial
ISBN:
9788562409073
Paginas: 320
Nota: 4,5

Sinopse: 
2017... UMA PROFECIA ESQUECIDA DO LIVRO DO APOCALIPSE, REITERADA POR OUTROS PROFETAS MODERNOS, RESSURGE...Cientistas descobrem um planeta vermelho em rota de colisão com a Terra. Depois de muito pânico nos quatro cantos do mundo, eles asseguram que o corpo celeste passaria a uma distância segura de nós. E todos ficam tranquilos acreditando que nada iria acontecer...Então 2/3 de todas as pessoas no Planeta caem desmaiadas, vítimas de um estranho surto... "E abriu-se o poço do abismo, de onde saíram seres como gafanhotos com poderes de escorpiões. E os homens buscarão a morte e a morte fugirá deles." - Apocalipse 9, 2-6.E um grupo luta para sobreviver num mundo dominado pelo mal.Com passagens por São Paulo, Brasília, Estados Unidos, China e França, O Vale dos Mortos baseia-se na profecia de que um planeta intruso ao sistema solar, ao raspar por nossa orbita, fatalmente desencadearia a transformação em grande parte da humanidade, não havendo lugar seguro e ambientes sem infecção, pois ela ocorreria simplesmente pela aproximação do astro. Pegos de surpresa, e tentando entender o que acontecia enquanto buscavam se salvar, um casal e seus filhos iniciam uma jornada para reestabelecer alguma condição de vida no que restou de seu próprio mundo.Uma história com muita ação, suspense, que vai deixar você eletrizado.


Olá, compulsivos do meu Brasil, mais uma resenha saindo do forno, hoje trago a vocês a resenha da continuação da série “As crônicas dos mortos”, do autor brasileiro Rodrigo de Oliveira. Para quem ainda não leu a resenha sobre Elevador 16, é só clicar no link e conferir o início da série com um conto muito legal, que me fez ficar encantado pelos livros.


Se você ainda não conhece a série, ou só ouviu falar, não faz ideia ainda do que o autor conseguiu construir nesse primeiro livro. Com a temática zumbi sendo cada vez mais popular, creio que as comparações com séries que estão em alta nas telinhas e que por sinal são muito boas, são inevitáveis, mas não se deixe levar pelo estrangeirismo ou pelo fanátismo, a “As crônicas dos mortos” é muito boa e se equivale a qualquer outra que abrange o universo apocaliptico zumbi. E o mais legal é que é um apocalipse zumbi narrado no Brasil!!!!


E lá vamos nós!

O livro começa narrando Ivan, sua esposa Estela e seus dois filhos, presos dentro do carro após sofrerem um acidente, estão todos confusos, sem saber o que se passa direito, afinal em um mundo apocalíptico creio que confusão é inevitável, até porque dificilmente alguém acredita que uma pessoa possa se transformar em um zumbi de uma hora para outra.  Após isso, Ivan começa a recordar da situação que os levaram até o acidente, de como aquele seria mais um sábado comum, seguindo a rotina, fazer compras em família, almoçar no shopping, tudo normal, até que as pessoas desmaiaram repentinamente enquanto ele e o restante da sua família aguardavam o almoço no shopping. O que você faria se isso acontecesse com você? Foi a primeira sensação que me passou pela mente, enquanto lia a narrativa, de como Ivan e Estela sua esposa lidaram com a situação. A história se passa na cidade paulista de São José dos Campos. Creio que o diferencial do livro é esse também, apresenta o mundo apocaliptico, desde o seu início, trazendo à tona situações como o desespero pela sobrevivência, a confusão por não saber o que se passa e se alguém vai tomar alguma providência quanto a isso


Esse é outro ponto muito bem trabalhado pelo autor, ele pausa a narrativa do nosso protagonista Ivan e relata como as principais autoridades do mundo lidaram com essa situação, mostrando que qualquer um estaria a vulnerável a essa situação. São narrados como as principais autoridades do mundo caíram mediante ao planeta Absinto.


Após narrar às mortes das autoridades brasileiras, norte-americanas, francesas e chinesas, a história começa a ser contada novamente pelo ponto de vista de Ivan e sua família. Eles conseguem sair do shopping após quase serem mortos, e decidem voltar para casa, mas a infestação está cada vez maior e no meio do caminho sofrem um acidente de carro, despencando de um viaduto e tornam-se assim presas fáceis para as novas ameaças. Pontos que valem ser ressaltados, Ivan é um ex-militar, então possuí conhecimentos e estratégias de combate, estela, uma analista de sistemas é muito inteligente, e juntos o casal consegue ir sobrevivendo, e lutando contra as ameaças zumbis.


Todos dentro do carro estão bem e resolvem que é hora de sair dali, pois tornaram-se presas fáceis, a saída de dentro do que sobrou do carro não é fácil, e para piorar um zumbi acaba por encontrá-los e tenta devorar Ivan. Como leitor, confesso que essa parte me senti na pele de Ivan, o desespero tendo um morto-vivo me agarrando e quase devorando, foi quase como se estivesse ali, mas, o pai de família consegue lidar com a situação, seus instintos de sobrevivência falam alto e em um acesso de adrenalina Ivan consegue agarrar o zumbi e começa a esmagar sua cabeça contra o painel do veículo.
Ameaça abatida, e agora o que fazer? Por onde começar? Aonde ir? Será que o mundo inteiro está assim? Essas e outras dúvidas passam pela cabeça da família e do leitor. Eles resolvem sair do buraco onde caíram, munidos de um martelo, sua principal arma contra os zumbis. Conseguem uma arma, de um zumbi policial e passam a noite em um prédio em construção. Ivan monta um plano juntamente com a esposa, existia um lugar na cidade que podia estar livre, e este era o shopping que estava fechado por causa de vazamento de gás. O plano está feito, despistar os zumbis, com um carro, e depois seguir com a família com o caminho livre para o shopping. Até que esse plano funciona, Ivan não consegue um carro, mas sim um ônibus, melhor ainda não é? No meio do caminho também encontram sobreviventes, um pai de família com três crianças.


Sacou a referência? Rs.

A família e seus novos acompanhantes conseguem chegar ao shopping, ele estava realmente fechado, e foi fácil para eles entrar, dentro do shopping, havia alguns sobreviventes, ocorre um pequeno estranhamento entre eles, mas logo tudo se resolve. Aos poucos, eles se adaptam ao local, tornam-se amigos, a comida lá é suficiente para anos e nada parece tirar a tranquilidade. Ivan é um líder nato e logo assume a cordenação e planejamento das ações. A vida no shopping é tranquila, até que um dia Ivan resolve salvar um caminhão que estava quase em apuros passsando pela cidade com um pneu furado. Mais pessoas surgem, os primeiros conflitos começam a surgir, mas a vida segue tranquila até que Ivan tem uma ideia ao ver que ao lado do shopping existe um condomínio residencial que ainda tem pessoas habitando, trancadas em suas casas. A ideia de Ivan é tomar o condomínio para eles, e tornar o lugar habitável. Loucura, insensatez, estado inevitável! Essa música veio na cabeça quando li essa parte, fiquei me perguntando, como esse cara vai fazer isso!?!?!?!?!?


Existem dois interlúdios muito interessantes e curtos nesse livro, e trazem a ideia de um conflito próximo que poderá acontecer. Acontece que no Brasil se um cagada pode acontecer, tenha certeza que irá. O mundo todo vira zumbi, por causa de um planeta, mas quem não vira? Os bandidos da penitenciária Doutor José Augusto César Salgado! Essa penitenciária é famosa no por manter prisioneiros como Lindeberg Alves ou os irmãos Cravinhos, e nos últimos anos tornou-se o destino de prisioneiros de um grupo de extermínio do ABC paulista. Da hora a vida né?


Mas infelizmente, nesse livro somente essas informações são divulgadas e não sabemos o que irá acontecer. Voltando a história, Ivan e seus ajudantes fazem um plano, invadir um quartel e se encher de armas e depois sair matando todo mundo. Iniciam as operações deixando as crianças no shopping e seguem para o quartel, chegando lá o lugar está infestado, mas eles dão conta do recado e conhecem mais algumas pessoas que os ajudam a finalizar o plano. De volta ao shopping, invadem o condomínio e aí o sangue começa a jorrar, fecham a entrada do condomínio e munidos de tanques de guerra e armas automáticas em algumas horas está tudo limpo e tranquilo por lá. Muitos sobreviventes foram encontrados, alguns desnutridos quase morrendo, mas da tudo certo, Ivan como bom líder, se deu conta que a principal arma contra os zumbis são as pessoas, e a partir disso começam a resgatar cada vez mais e mais pessoas. Com o número de sobreviventes cada vez maior, buscar suprimentos que faltam se torna cada vez mais fácil, assim eles invadem supermercados, hospitais depósito de materiais de construção. Tudo é narrado de forma que você não consegue parar de ler por um segundo, sempre se perguntando como eles vão melhorar o condomínio.


Logo a população atinge os níveis normais de um condomínio, tudo funciona perfeitamente, eles invadem um clube que faz divisa com o condomínio, e fazem de lá um lugar para criar os animais. Tudo perfeito não é? Parece um conto de fadas em meio a um apocalipse zumbi. Mas nem tudo são flores, em uma bela noite, uma personagem desaparece, e somente sua blusa é encontrada. Tudo indica que alguém a atacou, porém seu corpo nunca foi encontrado o que leva Ivan e sua equipe ao desespero. Nenhum zumbi invadiu o lugar, tudo indica que foi alguém. Mas quem? Não demora muito e outro ataque ocorre. Dessa vez o corpo é encontrado. Ivan e Estela decidem começar a observar a população cada vez maior, pois em um horário todos estariam juntos, nas refeições. E esse plano se mostra eficaz uma vez que, observando eles conseguiram identificar o assassino. Acontece a maior treta, e no meio disso descobrem que a primeira mulher que nunca foi encontrada está viva, sendo abusada diariamente pelo assassino/estuprador, e ele é resistente não se entrega, rouba uma granada, atira contra os mocinhos, consegue escapar entrando em um dos caminhões, ganha velocidade, mas um dos pneus é atingido num contra ataque do lado bonzinho da força, o bandidão perde o controle do veículo e atinge o muro, deixando um belo de um buraco pros nossos queridos e amados zumbis, entrarem.


Acabou a paz, nem a janta nossos sobreviventes puderam terminar, logo a linha defensiva foi montada, mas, porém, contudo, todavia e entretanto, o número de zumbis era bem maior, e muitas baixas ocorrem do lado dos sobreviventes. Mas como no final tudo se resolve, eles conseguem dar conta daquela bagunça toda, e por fim conseguem aos poucos reestabelecer o condomínio como estava antes. Nosso bandidão é capturado e colocado no paredão de fuzilamento.

E por fim o livro termina, com a resolução de algumas pendências, procurei não entrar em muitos detalhes na resenha, apesar dela ter ficado longa, para assim preservar o máximo possível a leitura de vocês. Esse livro é muito intenso, e para fãs de tramas apocalípticas, com certeza não deve ser deixado de lado na lista de leituras. Assim que finalizar a leitura da continuação eu posto aqui para vocês.

Um abraço, espero que tenham gostado, Dan. 
Share on Google Plus

Um comentário:

  1. Adoro este livro! Sou fã do Rodrigo de Oliveira e logo começarei o terceiro.

    ResponderExcluir

Olá, compulsivo (a)!!!

Sinta-se à vontade e diga-nos o que achou deste post!