Clique em "Participar deste site" e fique por dentro de tudo o que rola no blog Sociedade dos Leitores Compulsivos!

Resenha: O Grande Gatsby

Por: Thalinne Mafra

Título: O Grande Gatsby

Gênero: Clássico

ISBN: 9788581301723

Autor: F. Scott Fitzgerald

Ano de publicação: 2013

Editora: Geração

Número de páginas: 204

Nota: 4,5


Sinopse: 
Obra-prima de F. Scott Fitzgerald, este clássico do século XX retrata a alta sociedade de Nova York na década de 1920, com sua riqueza sem precedentes, festas nababescas e o encanto das melindrosas ao som do jazz. O sol em ascensão desse universo cintilante e musical é o enigmático milionário Jay Gatsby, ao redor do qual orbitam três casais glamorosos e desencontrados, numa trama densa, repleta de intrigas, paixões e conflitos que precipitam o trágico eclipse. Recriação soberba de um dos períodos mais prósperos da história dos Estados Unidos, O grande Gatsby é uma crítica mordaz à insensibilidade e imoralidade revestidas de ouro da chamada Era do Jazz, e um dos melhores romances — talvez o melhor — já escritos nesse país.




O Grande Gatsby é o retrato da sociedade luxuosa e desregrada dos Estados Unidos dos anos 1920. Com o fim da Primeira Guerra Mundial e o aumento das exportações para a Europa, os Estados Unidos viram um período de forte crescimento econômico, com queda nos preços dos bens de consumo e aumento do crédito. Esse avanço na economia impulsionou o ideal da "American Way of Life", que pregava a vida, a liberdade e a busca pela felicidade. As pessoas então passaram a se lançar num consumismo exagerado e numa tentativa de enriquecimento rápido na bolsa de valores. A vida dos ricos, com suas festas regadas a jazz e muita bebida, passou a ser cobiçada por todas as classes sociais.



É nesse contexto que o jovem Nick Carraway, recém-chegado da guerra e ansioso para ganhar a vida em Wall Street, se muda para West Eggs, em Nova Iorque. Em uma casa imponente do outro lado da baía, moram sua prima Daisy Buchanan e o marido Tom. E vizinha ao chalé simples de Nick, está a mansão luxuosa do misterioso Jay Gatsby, um homem famoso por dar festas grandiosas das quais pouco participava. Embora as portas da mansão de Gatsby fossem abertas a todos, poucos presentes eram realmente convidados para as festas, e nenhum parecia saber quem de fato era Gatsby e qual a origem do dinheiro que pagava por todos aqueles luxos.



Aos poucos, Nick vai adentrando na vida social de Nova Iorque e na vida pessoal dos personagens da trama. Começa a sair com Tom e descobre que o amigo trai Daisy com a mulher do mecânico. Também acaba sendo convidado para uma das festas de Gatsby e descobrindo quais eram as reais intenções por detrás das festas grandiosas do milionário.


Gatsby e Daisy haviam sido namorados há vários anos. A guerra e outras complicações na vida de Gatsby, no entanto, acabaram por separar os dois. Certa de que jamais reencontraria Gatsby, Daisy acaba se casando com o abastado Tom Buchanan. Mas Gatsby nunca desistiu de reencontrá-la. Todos as festas que aconteciam em sua casa tinham como objetivo atrair a atenção de Daisy. A cada vez que Gatsby abria a porta da sua casa para estranhos, esperava que sua amada aparecesse, para que os dois pudessem retomar a história de amor que fora interrompida anos atrás.




Tocado pela história de amor - e talvez fazendo vista grossa por conta das traições de Tom - Nick acaba concordando em ajudar Gatsby e Daisy a se encontrarem às escondidas. Mas o que Nick, Gatsby e Daisy vão acabar descobrindo é que o passado não pode ser mudado, e que cada acontecimento na vida de alguém traz consequências que não podem ser evitadas.


"Gatsby acreditou na luzinha verde, naquele futuro orgiástico que de ano em ano se afasta de nossos olhos. O futuro já nos iludiu tantas vezes, mas não importa... Amanhã correremos mais depressa e esticaremos nossos braços um pouco mais além... Até que em uma bela manhã...É assim que todos nós deslizamos, barcos contra a corrente, impelidos incessantemente de volta ao passado." Pág. 204

Ao mesmo tempo uma crítica social e um autorretrato, O Grande Gatsby é hoje considerado a obra-prima de Fitzgerald. Sua crítica à vida desregrada e inescrupulosa da sociedade norte-americana dos anos 1920 acaba sendo, talvez, uma autocrítica do próprio autor, uma vez que Fitzgerald possuía todos os hábitos que questionava.

Certamente, dentre todos os livros que já li, esse foi o que mais me surpreendeu positivamente. Comprei-o num impulso pela beleza da edição, uma capa dura lindíssima coberta com uma capa plástica que reproduz o cartaz da adaptação para cinema de 2013 (e como resistir a um livro com Leonardo DiCaprio na capa?). Dentro do livro, temos um encarte com fotos de Fitzgerald e sua mulher Zelda, bem como imagens das muitas adaptações para cinema. Achei que iria deixar o livro guardado na estante, intocado, porque nunca me interessei realmente pela história. Mas quando resolvi pegar para ler, acabei "pagando a língua" e me encantando com a história. Talvez ela tenha me tocado tanto por eu não ter criado nenhum tipo de expectativa em relação à leitura.

O Grande Gatsby já foi adaptado para um musical da Broadway e ganhou várias versões cinematográficas. A mais recente, de 2013, é dirigida por Baz Luhrmann e protagonizada por Leonardo DiCaprio, com Tobey Maguire no papel de Nick e Carrey Mulligan no papel de Daisy.

 
Share on Google Plus

2 comentários:

  1. A história de O Grande Gatsby também nunca me interessou mas, considerando que você foi positivamente surpreendido, posso pensar em dar uma chance para a trama caso surja a oportunidade!
    Gislaine | Paraíso da Leitura

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Gislaine!
      Pois é, eu também não estava muito interessada e só tirei ele da estante porque queria tentar ler algo diferente. Mas a leitura foi realmente maravilhosa e envolvente do início ao fim. Espero que você também goste.

      Beijos!

      Excluir

Olá, compulsivo (a)!!!

Sinta-se à vontade e diga-nos o que achou deste post!