Clique em "Participar deste site" e fique por dentro de tudo o que rola no blog Sociedade dos Leitores Compulsivos!

Resenha: O pequeno príncipe

Por: Lucas Oliveira

Título: O Pequeno Príncipe
Autor: Antoine de Saint-Exupéry
Gênero: Infantil / Infanto-juvenil
Editora: Agir
Ano: 2009
ISBN: 8522005230
Edição: 48
Páginas: 96

Sinopse: 
Livro de criança? Com certeza.
Livro de adulto também, pois todo homem traz dentro de si o menino que foi.
Como explicar a adoção deste livro por povos tão variados, em tantos países de todos os continentes? Como explicar que ele seja lido sempre por tantos milhões e milhões de pessoas? Como explicar a atualidade deste livro traduzido em oitenta línguas diferentes?
Como compreender que uma história aparentemente tão ingênua seja comovente para tantas pessoas?
O pequeno príncipe devolve a cada um o mistério da infância. De repente retornam os sonhos. Reaparece a lembrança de questionamentos, desvelam-se incoerências acomodadas, quase já imperceptíveis na pressa do dia a dia. Voltam ao coração escondidas recordações. O reencontro, o homem-menino.
Amélia Lacombe.



Olá, Sociedade!

Neste fim de semana tivemos o dia mundial do livro infanto-juvenil. Pensando num momento como esse, o Luc resenhou a obra O pequeno príncipe, de Antoine de Saint-Exupéry, um belo livro infanto-juvenil para crianças e adultos.

É difícil escrever sobre uma história como o pequeno príncipe, por mais que nos esforçamos, contar história com a mesma magia que nos é narrada pelo autor, é impossível. As palavras foram dispostas de uma forma tão simples e inteligente e nos fazem refletir sobre muitas coisas. Eu deixo aqui um aviso, minhas palavras irão contar um pouco sobre a história, mas se vocês ainda não a conhecem, espero que essa resenha lhes desperte o interesse em ler a obra com as palavras do autor. Espero que tenham uma ótima leitura. Segue aqui minha resenha. Abraços.

A história é narrada por um aviador que é forçado a fazer um pouso de emergência em pleno deserto do Saara devido uma pane em seu avião. Na manhã seguinte um menino o pede para desenhar um carneiro. Espantado com a aparição em pleno deserto, ele desenha o que lhe foi pedido. A partir de então ele acaba conhecendo aos poucos a história do pequeno príncipe.

O principezinho vem de um planeta muito pequeno, com três vulcões da altura de seus joelhos, dois deles em atividade. Ele explica ao aviador que precisa do carneiro para que coma as raízes de baobás, pois se estas se tornarem árvores seria uma catástrofe para seu planeta.

Certa vez o pequeno príncipe percebe uma raiz diferente da de baobá. Foi quando conheceu a sua Rosa. Ele se encantou por ela a atendeu a todos os seus caprichos. Ele a amava, mas não soube como lidar com as mentiras tolas que ela lhe contava e decidiu deixá-la.

“[...] As flores são tão contraditórias! Mas eu era jovem demais para saber amá-la” Pág. 31

Antes de chegar à Terra, o pequeno príncipe passou por vários planetas nos quais conheceu seus habitantes, cada qual com uma característica peculiar: Um rei que gostava de ser obedecido; Um  homem vaidoso que se preocupava apenas em ser aclamado; um empresário que contabilizava estrelas que dizia possuir; um geógrafo que catalogava montanhas e oceanos, mas nunca flores, por serem efêmeras.

O pequeno príncipe chega à terra a procura de um amigo. Encontra uma serpente que fala por enigmas. Encontra-se também com milhares de rosas iguais aquela que amava e que dizia que era a única de sua espécie em todo o universo. Também encontra uma sábia raposa que lhe mostra o sentido de cativar alguém e o poder da amizade.

“Disse a raposa [..] se tu me cativas, nós teremos necessidade um do outro. Serás para mim único no mundo. E eu serei para ti única no mundo...” Pág. 66

“Se tu vens, por exemplo, às quatro da tarde, desde as três eu começarei a ser feliz.” Pág. 67

“Foi o tempo que perdeste com sua rosa que a fez tão importante” Pág. 72

“Tu te tornas eternamente responsável por aquilo que cativas” Pág. 72

A história prossegue e o pequeno príncipe decide voltar para sua rosa, mas não sem deixar um conforto para que seu amigo aviador não sinta sua falta. 
Share on Google Plus

2 comentários:

  1. Oie...
    Já tive a felicidade de ter lido esse livro e posso dizer que ele se torna inesquecível na vida do leitor, mesmo sendo um juvenil ele cai na graça de muitos adultos (rsrs), isso sem falar nos vários ensinamentos que esse principezinho nos deixa também.
    Leitura super recomendada!
    PS: Parabéns pelo blog. Ele está demais e vocês já ganharam uma leitora compulsiva :)

    Beijos

    http://coisasdediane.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Olá Diane, seja muito bem vinda ao clube de leitores compulsivos.
    Muito obrigado pelo seu comentário e pelos generosos elogios.

    Com toda certeza essa história sempre tem algo novo a ensinar, não importa a idade do leitor e também quantas vezes a história foi lida. A cada leitura tem sempre um novo aprendizado.

    Espero te ver mais vezes por aqui.
    Abraços... Luc ^^

    ResponderExcluir

Olá, compulsivo (a)!!!

Sinta-se à vontade e diga-nos o que achou deste post!